Sobre nós

O Grupo Ogilvy, presidido por Sérgio Amado, faz parte do maior conglomerado de comunicação do mundo, o WPP. No Brasil, a Ogilvy & Mather é a segunda maior agência de publicidade do País e foi, em 2013, eleita a Agência do Ano no Festival de Cannes, conquistando um total de 35 Leões.

Divine Discontent
Sérgio Amado - Ogilvy

Sérgio Amado

Presidente do Grupo Ogilvy BrasilUm dos mais respeitados publicitários do Brasil, com longa história na propaganda, e baiano globalizado, Sérgio Amado é membro do board mundial da OgilvyWW.

Passou por diretor de atendimento, diretor de criação e vice-presidente da Ogilvy, até ser nomeado Presidente do Grupo Ogilvy Brasil em 1997.

saiba mais
Luiz Leite - Ogilvy

Luiz Leite

CEO do Grupo Ogilvy Brasil Responsável por toda a área administrativa e financeira do Grupo Ogilvy Brasil, o que inclui infraestrutura e aquisicões, Luiz Leite é o atual CEO da companhia.

O executivo começou a trabalhar na empresa em 1981, passou pela Ogilvy Rio e em 2011 foi promovido a COO, voltando a atuar na Ogilvy SP.

saiba mais
Luiz Fernando Musa - Ogilvy

Luiz Fernando Musa

CEO da Ogilvy & Mather O publicitário juntou-se ao time em 1995, representando a nova geração brasileira no segmento e transformando a Ogilvy & Mather.

Também é um dos fundadores da DAVID, agência lançada em 2011 pela Ogilvy & Mather Worldwide, com sedes em São Paulo, Buenos Aires e em breve nos Estados Unidos.

saiba mais
Anselmo Ramos - Ogilvy

Anselmo Ramos

VP nacional de criaçãoMembro do Worldwide Creative Council, grupo que reúne o principal time da Ogilvy na área, ele promoveu uma revolução desde que chegou à agência em 2007.

Com vasta experiência internacional Anselmo ajudou a transformar a Ogilvy Brasil na agência #1 da rede em termos de criatividade. Também é um dos fundadores da David.

saiba mais
Maurício Tortosa - Ogilvy

Maurício Tortosa

Diretor-geral da OgilvyOneUma das maiores referências no marketing digital, Tortosa faz parte do time da Ogilvy Brasil desde 2011, quando assumiu como diretor-geral da OgilvyOne.

Ele já teve sua própria consultoria e hoje é o líder local de uma operação presente em 30 países, com cerca de 150 escritórios.

saiba mais
Luiz Augusto Cama - Ogilvy

Luiz Augusto Cama

Vice-Presidente CorporativoExperiente profissional, Cama está há 45 anos na agência e atualmente se dedica aos assuntos corporativos, projetos estratégicos e desenvolvimento de pessoal.

Em 2013 conclui o livro com a história de 80 anos da agência, que começou como Standard Propaganda, em 1933, e transformou-se em Ogilvy, em 1972.

saiba mais
Luis Carlos Franco - Ogilvy

Luis Carlos Franco

Diretor-geral da Ogilvy & Mather RioResponsável por toda a operação da Ogilvy Rio, Luis Carlos iniciou sua carreira em 1997 como diretor de contas e hoje comanda um time com cerca de 120 pessoas.

Entre os principais clientes e marcas que já gerenciou estão Coca-Cola, Souza Cruz, Varig, Castrol, Michelin, IBGE, Fiat, entre outros.

saiba mais
Roberto Fernandez - Ogilvy

Roberto Fernandez

Diretor-geral de criaçãoBeto iniciou sua carreira em Curitiba, em 1995 e acaba de assumir a responsabilidade de comandar a direção de arte da Ogilvy & Mather Brasil.

Com passagem por outras agências brasileiras, ele atendeu clientes como Unilever, Coca-Cola, HSBC, Shell, Nestle, Ford, Ambev, e outros.

saiba mais
Paco Conde - Ogilvy

Paco Conde

Diretor-geral de criaçãoO redator espanhol começou na Ogilvy & Mather Rio no ano passado, vindo da Sra. Rushmore, de Madri e com passagem por outras grandes redes de agências.

Agora, ao lado de Beto Fernandez, acaba de assumir o posto de diretor-geral de criação da agência, baseado no Rio de Janeiro.

saiba mais
Daniella Gallo - Ogilvy

Daniella Gallo

Diretora-geral de mídiaCom 16 anos de carreira, Daniella Gallo foi indicada pelo Prêmio Folha UOL de Mídia como uma das cinco maiores profissionais desta área no Brasil em 2012.

Ingressou no time da Ogilvy & Mather em 2009 e P&G, Kimberly Clark, Red Bull e Credicard são algumas marcas que ela trabalhou.

saiba mais
Miriam Shirley - Ogilvy

Miriam Shirley

Diretora-geral de mídiaCom carreira internacional e agora baseada no Rio, a executiva é um dos pilares da mídia da Ogilvy & Mather, agência onde trabalha desde 2006.

Na área de mídia, esteve no comando do planejamento, estratégia, negociação e execução de todas as marcas da Coca-Cola, entre outros clientes.

saiba mais
Daniel Tártaro - Ogilvy

Daniel Tártaro

Diretor de integração digitalCom 12 anos de experiência em desenvolvimento de projetos de marketing interativo e publicidade online, Daniel é responsável pelo digital na agência.

Desde 2009 na Ogilvy Brasil, anteriormente trabalhou para grandes clientes, portais startups e agências digitais no Brasil e nos EUA.

saiba mais
Renata Saraiva - Ogilvy

Renata Saraiva

Diretora-geral da Ogilvy PRResponsável pela Ogilvy PR Brasil, Renata comanda os escritórios de São Paulo e Brasília que fazem parte de uma rede de 80 escritórios mundiais.

Formada em jornalismo e história e com especialização em marketing, ela tem 20 anos de experiência construídos em empresas brasileiras e internacionais.

saiba mais
Kajsa Mclaren - Ogilvy

Kajsa Mclaren

Diretora-geral de planejamentoReferência em nosso mercado quando o assunto é planejamento estratégico, a inglesa Kajsa McLaren está há cerca de dois anos na Ogilvy & Mather Brasil.

Ela iniciou sua carreira há dez anos, através do programa de gerenciamento “The WPP fellowship”, ganhando grande experiência global.

saiba mais
Patrícia Fuzzo - Ogilvy

Patrícia Fuzzo

Diretora de RHÉ responsável por um departamento que cuida de mais de mil pessoas, contando todas as agências do Grupo Ogilvy no Brasil.

Ingressou em 2006 no Grupo Ogilvy como diretora da área e hoje tem mais de 20 anos de experiência. É formada em administração de empresas e pós-graduada em RH pela FGV.

saiba mais
Ricardo Silva - Ogilvy

Ricardo Silva

Diretor FinanceiroRicardo entrou no Grupo Ogilvy em 2004 como controller e em 2007 foi promovido a diretor financeiro, cargo que ocupa até hoje.

Passou pela Symbol Technologies, EGL Ceva Logistics e Expeditors Intl. É formado em administração de empresas com extensão em controladoria e MBA pela University of Toronto.

saiba mais
Denise Israel - Ogilvy

Denise Israel

Diretora-geral da OgilvyHealthWorldDenise coordena a unidade com especialidade em Saúde no Brasil que faz parte da rede OgilvyCommonHealth com 65 escritórios no mundo.

Com 16 anos de experiência em comunicação, começou sua carreira em 2008 e Roche, GSK, Abbot e Novartis são algumas marcas com quem ela trabalha.

saiba mais

Notícias

Leia o whitepaper por Marshall Manson

Facebook Zero: Avaliando a Vida após o Declínio do Alcance Orgânico

< voltar

Facebook Zero:
Avaliando a Vida após o Declínio do Alcance Orgânico

Por Marshall Manson
Diretor Presidente da Social@Ogilvy para
Europa, África e Oriente Médio salvar pdf

O alcance orgânico do conteúdo que marcas publicam no Facebook está predestinado a atingir zero. É apenas uma questão de tempo.

Em 2012, o Facebook notoriamente restringiu o alcance orgânico de conteúdo publicado em páginas de marcas para cerca de 16%.1 Em dezembro de 2013, outro conjunto de mudanças reduziu ainda mais esse patamar. Até fevereiro de 2014, de acordo com uma análise da Social@Ogilvy, o alcance orgânico ficou em torno de 6%, uma queda de 49% dos níveis mais altos registrados em outubro. Para grandes páginas com mais de 500 mil likes, o alcance orgânico atingiu 2% em fevereiro. (Detalhes completos de nosso estudo estão disponíveis no Apêndice)

Gráfico Alcance Orgânico Médio de Conteúdo Publicado em Páginas do Facebook

1O Facebook define Alcance Orgânico para uma publicação como: "O número de pessoas que viram a publicação em sua Página em feeds de notícias ou ticker, ou na linha do tempo de sua Página." Em termos mais simples, qualquer pessoa que tenha visto seu conteúdo, sendo que aquela exposição não tenha sido consequência de publicidade paga.

A habilidade de construir comunidades de fãs para, em seguida, manter uma conversação frequente e engajadora foi o principal aspecto do apelo inicial do Facebook para profissionais de marketing. A oportunidade de conquistar o engajamento em escala motivou muitas marcas e empresas a investir milhões no desenvolvimento destas comunidades e no conteúdo sempre ativo ("always-on content").

Mas, com o fim iminente do alcance orgânico, quais são as consequências para profissionais de marketing e outros que usam o Facebook? Como marcas e empresas podem captar o máximo da rede no futuro? Será que o Facebook ainda é um promotor de conversas "earned" e do boca a boca? Ou será que é apenas um canal puramente pago? Como as comunidades deveriam abordar o conteúdo e o engajamento de agora em diante?

Mas, com o fim iminente do alcance orgânico, quais são as consequências para profissionais de marketing e outros que usam o Facebook? Como marcas e empresas podem captar o máximo da rede no futuro? Será que o Facebook ainda é um promotor de conversas "earned" e do boca a boca? Ou será que é apenas um canal puramente pago? Como as comunidades deveriam abordar o conteúdo e o engajamento de agora em diante?

Uma Plataforma "Paid" ou "Owned"?

O Facebook sempre foi um "ser estranho" no modelo "Paid, Owned, Earned". Muitos gerentes de marca e de comunidades veem sua fanpage como espaço "owned" (embora as constantes mudanças do Facebook nos apontem o contrário). O conteúdo distribuído para feeds de notícias de fãs e ampliado para não fãs via 'curtir, comentar e compartilhar' é uma forma eficiente e efetiva de boca a boca - "earned".

E os pacotes de produtos "pagos" do Facebook ajudaram a promover o crescimento de comunidades, o engajamento em uma escala maior e uma amplificação mais abrangente de atividades de fãs.

Gráfico Alcance Orgânico Médio de Conteúdo Publicado em Grandes Páginas do Facebook (> 500.000 fãs)

Com o alcance orgânico eliminado do mix, seria fácil concluir que o Facebook será, portanto, somente mais um canal pago para alcançar e engajar uma comunidade existente. Mas as evidências indicam que fãs da rede têm um valor incremental: um estudo da ComScore demonstrou que os fãs de um varejista no Facebook tinham 27% mais probabilidade de fazer uma compra nas quatro semanas posteriores a uma campanha paga. 2

O poder do Facebook continua a ser seu potencial de gerar conversas "earned" e engajamento e a exigência de distribuir conteúdo, através de mecanismos pagos não deve alterar isso. Os fãs ainda verão os conteúdos das marcas em seus feeds de notícias. Se forem interessantes o suficiente, passarão adiante para seus amigos - e há valor real nisso. De acordo com a Nielsen, a publicidade social que contém o endosso de um amigo ("sua amiga Maria gosta do queijo X"), gera um índice de lembrança do anúncio 55% superior ao de publicidade não social3. E, claro, a divulgação espontânea permanece firmemente no topo da tabela de valores

2 ComScore, The Power of Like 2. 12 de junho de 2012. http://www.comscore.com/Insights/Presentations_ and_Whitepapers/2012/The_Power_of_Like_2_How_ Social_Marketing_Works
NB: O estudo da ComScore não busca discernir se os fãs são mais inclinados a comprar porque se tornaram fãs, ou porque tinham um alto nível de afinidade, e portanto uma intenção de compra maior antes de se tornarem fãs. De acordo com o nosso propósito aqui, isso não é importante. Nossos fãs são mais propensos a comprar nossos produtos e amplificar nosso conteúdo; isso os torna mais valiosos do que um consumidor médio.

3 Nielsen. Confiança Global em Publicidade e Mensagens Patrocinadas. Abril de 2012. p.3. http:// www.nielsen.com/content/dam/corporate/us/en/reports-downloads/2012-Reports/global-trust-in- advertising-2012.pdf

também, com 92% dos consumidores globais afirmando que confiam em "recomendações de pessoas que conhecem" e 70% declarando que confiam em "opiniões de consumidores publicadas online." Resumindo, o modelo mudou. Anteriormente, as marcas usavam o "owned" para disparar o "earned". Daqui em diante, precisarão usar o "paid" para promover o "earned", mas isso não torna o "earned" conquistado menos valioso. O sucesso irá exigir a implementação da estratégia paga (paid) de maneira diferente – em pequenos incrementos tanto para o público-alvo, como para os gastos, além da otimização em tempo real para garantir que os investimentos sejam eficientes e efetivos.

Conteúdo: o que, como e quando?

A prática do conteúdo "Always on" derivou da ideia de que comunidades exigiam conversação, e as marcas não podiam chegar e sair dessas conversas quando bem entendessem. Porém, na medida em que o Facebook evoluiu para uma plataforma de disseminação de conteúdo compartilhável para comunidades de fãs, o modelo de conversas seguiu a mesma evolução, baseado no reconhecimento de que conversas 'um a um' não produzem a escala que as marcas geralmente estão buscando.

Simultaneamente, um modelo editorial surgiu, no qual as histórias de marcas se tornaram adequadamente sensíveis a notícias, tendências e eventos acontecendo naquele momento. Esse modelo está comprovando o valor de marcas atuando como "publishers".

A extinção do alcance orgânico não irá mudar essa situação. Conforme sites como BuzzFeed, Business Insider, e outros já demonstraram, o essencial é criar conteúdo oportuno que fãs e defensores desejem discutir e compartilhar. É necessária uma abordagem que possibilite a publicação de conteúdo planejado em tempo real, e grande momentos de campanha que causem impacto.

Tendo dito isso, o fim do alcance orgânico acaba forçando certas mudanças, que são provavelmente saudáveis. Limitações orçamentárias inevitáveis e falta de atenção do público irão obrigar as marcas a serem mais seletivas no que publicam e promovem. Menos publicações devem liberar mais tempo e recursos para mais engajamento e interação real com as comunidades.

O conteúdo "always on" irá migrar para plataformas como Twitter e Instagram que são mais adequadas para isso.

Finalmente, as marcas terão de ser mais seletivas sobre quando publicar. O Super Bowl não é o momento certo para todas as marcas. Ao permanecerem incorporadas nas preferências e interesses dos diferentes públicos, marcas poderão decidir o momento certo de ampliar as atividades e atuar verdadeiramente em tempo real.

Ajuste o Foco. Customize a Experiência

Ao utilizar informações já disponíveis via APIs do Facebook podemos identificar dados comportamentais essenciais. Por exemplo:

  • Quando um usuário tornou-se fã de nossa página e, muitas vezes, por que o fez
  • Que conteúdo curtiram, comentaram ou compartilharam;
  • Quando foi a última vez que interagiram com o conteúdo da página;
  • Sua idade, interesses e outras informações variadas do perfil.

Essas informações permitem que as marcas comecem a subdividir suas comunidades e direcionar com mais efetividade o conteúdo para os fãs que têm mais interesse.

As ferramentas de direcionamento ("targeting tools"), entretanto, exigem suporte pago, pois usam ferramentas como o Facebook Custom Audiences. O Google Circles também oferece às marcas uma oportunidade de direcionamento semelhante, mas será necessária uma quantidade de trabalho consideravelmente maior para a maioria das marcas atrair seus fãs no Google+ e conseguir envolvê-los de maneira significativa. Além do fato de que atividades no Google+ podem ter benefícios imensuráveis em termos de desempenho de busca.

Para o futuro, o Facebook certamente deve continuar a melhorar sua funcionalidade de direcionamento de público-alvo. Nossa responsabilidade é aproveitar ao máximo esses recursos, oferecendo conteúdo que nossos públicos realmente adorem e queiram compartilhar. Para fazer isso, precisamos pensar nas nossas comunidades em grupos menores.

Enquanto os modelos de comunicação um-a-um e um-com-muitos permanecem como alternativas relevantes, os modelos um-com-alguns, um-com-vários, e um-com-um-monte-mas-não-todo-mundo hoje são abordagens igualmente válidas e devem ser adotadas como tal. As estratégias sociais que enfatizam o engajamento de clientes e o seu valor estarão mais posicionadas para o sucesso, e é nessa área que os esforços de "Social CRM" devem estar concentrados.

Além disso, as marcas também devem usar a mídia paga para atingir advogados da marca que não são fãs. Uma análise cuidadosa da atividade de usuários irá identificar as pessoas que interagem com o conteúdo de uma marca sem ser um fã da página patrocinada. (A Ogilvy possui uma ferramenta proprietária para facilitar essa avaliação.) Esses "advogados" são promotores em potencial do boca a boca, mesmo que não sejam fãs da página, e muitas vezes se expressam mais e estão mais envolvidos do que os membros mais ativos da base de fãs.

Facebook para Atendimento ao Consumidor

As mudanças do Facebook não irão impedir clientes e ativistas de publicarem suas perguntas, preocupações e provocações nos murais de marcas. A integração entre os gerentes de comunidades e o setor de atendimento ao cliente continuará sendo essencial.

A realidade emergente é que uma equipe interna de atendimento ao cliente bem treinada é capaz de lidar com dúvidas e problemas com mais eficiência e a um custo inferior do atendimento telefônico, além de proteger o relacionamento com clientes com um ROI mais alto.

A Maior Lição: O Retorno a uma Plataforma Neutra

A mídia social continua a ser um local extremamente valioso para marcas e empresas se envolverem com comunidades de clientes, advogados de marca, influenciados e outros públicos; e uma boa parcela de oportunidades inexploradas ainda nos aguardam. Ideias inovadoras em áreas como Social CRM, marketing em tempo real, defesa da marca e inúmeras outras continuam a surgir.

Entretanto, a principal lição na medida em que nos aproximamos do Facebook Zero é evitar o comprometimento excessivo com uma única plataforma. A receita correta para a estratégia social começa com objetivos de negócio claramente definidos, moldada por um conhecimento sólido do que o público deseja, com algumas pitadas inteligentes de histórias ("storytelling") para facilitar o engajamento.

Os requisitos do conteúdo – Há fotos disponíveis? Deveríamos usar vídeo? Estamos criando, agregando, realizando a curadoria ou todas as respostas anteriores? – e o comportamento do público-alvo devem ditar a seleção da plataforma.

Recomendações de Ações Específicas para Atividades no Facebook

  • Organize um workshop com seus gerentes de comunidades, editores-chefes, equipe de conteúdo e líderes da marca para determinar como o Facebook Zero afeta sua estratégia social. Nem é preciso mencionar que a Ogilvy ficará feliz em ajudá-los;
  • Reserve um montante flexível como orçamento para mídia paga para gastar em pequenos incrementos, visando garantir que o conteúdo chegue aos advogados de marca e, quando apropriado, à sua base completa de fãs;
  • Desenvolva uma estratégia paga (Paid) para subdividir sua comunidade existente e direcionar o conteúdo com mais efetividade para advogados de marca e fãs, que estão genuinamente interessados nele;
  • Acostume-se a fazer escolhas mais difíceis sobre o que publicar. Esteja preparado para fazê-lo com menos frequência. Revise, edite e dedique-se novamente aos temas principais de histórias. Certifique-se de que os temas são compatíveis com seus objetivos de negócios. Seja assertivo sobre recusar a publicação de conteúdo que não está alinhado com os temas, é irrelevante ou entediante;
  • Reavalie sua estratégia de distribuição de conteúdo diária. Publicar uma quantidade menor de conteúdo, que seja mais bem direcionado, pode exigir que você experimente diferentes horários de publicação;
  • Considere a publicação de conteúdo várias vezes em diferentes períodos do dia com variações de título, imagens e texto. Dependendo do seu público- alvo e seus hábitos de consumo, pode ser que você consiga usar essa técnica como um método, embora imperfeito, para realizar testes A/B para selecionar que formato criativo alavancar com a estratégia paga.

Outras Recomendações

  • Certifique-se de investir em uma estratégia neutra em termos de plataforma, que esteja fundamentada em seus objetivos de negócios. Não seja dependente de uma única plataforma;
  • Defina uma abordagem editorial para a criação de conteúdo. Seja sensível às notícias e tendências que estão acontecendo agora. Esteja preparado para reagir e responder;
  • Busque de maneira enfática o recrutamento em várias plataformas. Trabalhe para direcionar seguidores do Facebook e do Twitter para websites e outras plataformas onde podem ser recrutados para bases de dados CRM. Considere o recrutamento para bases de dados diretamente das plataformas sociais;
  • Sempre que possível, ofereça aos usuários a possibilidade de registrar-se em sites de e-commerce e com acesso restrito por senha por meio de social logins. Dessa forma, a harmonização de dados de APIs de redes sociais em sua base de dados CRM fica facilitada.

Alcance Orgânico no Brasil

No mercado brasileiro, o cenário é bastante semelhante. Ao analisar 30 fan pages brasileiras de diversos segmentos, a Ogilvy Brasil observa a mesma queda média de alcance orgânico. Ainda em outubro, antes das mudanças no algoritmo do Facebook, o alcance médio no Brasil era menor que o médio mundial.

Gráfico Alcance Orgânico Médio de Conteúdo Publicado em Páginas do Facebook no Brasil

Quanto às páginas com grande base de fãs, nossos índices em outubro eram bastante similares, assim como em fevereiro.

Quando avaliamos o comparativo de alcance, também notamos semelhanças.

A queda do alcance orgânico no Brasil foi na mesma proporção que na referência mundial. Contudo, desde antes da mudança do algoritmo, já alcançávamos um proporção menor da nossa base de fãs

Gráfico Alcance Orgânico Médio de Conteúdo Publicado em Grandes Páginas do Facebook (> 500.000 fãs) no Brasil

Uma das hipóteses foi a preocupação das marcas em obter fãs a qualquer custo, na verdade no menor custo possível. Boa parte dos

Tabela Resumo de Conclusões e Dados Globais Tabela Comparativo Brasil

* Comparativo estudo social@ogilvy mundial X Data Intelligence Ogilvy Brasil.

profissionais de marketing e agencias, seguindo as orientações do facebook, trabalharam suas estratégias a partir de 2 indicadores quantitativos: volume de fãs e engajamento.

Essa busca desenfreada por fãs, conhecida como "Fan Race", fez com que as marcas buscassem fãs com o menor custo, muitas vezes ignorando segmentações mais específicas (que consequentemente aumentavam o custo por fã), com isso uma série de fãs pouco íntimos dessas marcas foram colocados para dentro das bases, impactando nas taxas de engajamento.

A consequência foi a geração de "fãs passivos" que pouco interagiam com o conteúdo das marcas e consequentemente derrubavam a taxa de engajamento (que impacta diretamente no alcance orgânico).

Este estudo traz uma ótima oportunidade para reflexão sobre os indicadores que devem ser considerados e a necessidade de buscar uma abordagem "plataforma neutra" em vez da dependência excessiva em um único canal.

Apêndice: Resumo das Conclusões e Dados

A Social@Ogilvy calculou o alcance orgânico médio4 por mês para 106 páginas patrocinadas do Facebook em mercados no mundo todo, usando dados do nível da publicação (post level data). Coletivamente, essas páginas representam mais de 48 milhões de fãs de uma ampla variedade de indústrias, produtos e setores verticais, assim como de uma mescla de marcas americanas e globais.

4 O Facebook define Alcance Orgânico para uma publicação como: "O número de pessoas que viram a publicação em sua Página em feeds de notícias ou ticker, ou na linha do tempo de sua Página." Em termos mais simples, qualquer pessoa que tenha visto seu conteúdo, sendo que aquela exposição não tenha sido consequência de publicidade paga.

Nossas principais conclusões:

  • O alcance orgânico médio caiu de 12,05% em outubro de 2013 para 6,15% em fevereiro de 2014, um declínio total de 49%;
  • A maior queda foi em dezembro, na mesma época em que o Facebook fez mudanças amplamente divulgadas nos algoritmos que determinam que conteúdo é exibido nos feeds de notícias de usuários;
  • Páginas de grande porte (>500.000 fãs) começaram com uma base de alcance orgânico bem inferior às
    de nível médio (>100.000 e <500.000 fãs) e às páginas de pequeno porte (<100.000 fãs), mas, em termos porcentuais, o declínio foi notavelmente consistente, independentemente do tamanho da página – todas as três categorias tiveram quedas ao redor de 50%;
  • As grandes páginas podem esperar um alcance orgânico – hoje em cerca de 2% - bem inferior ao de páginas médias e pequenas.
Tabela Resumo de Conclusões e Dados Globais

Marshall Manson é o Diretor Presidente da Social@Ogilvy para Europa, África e Oriente Médio. Para mais informações, entre em contato com ele através do e-mail marshall.manson@ogilvy.com ou via Twitter: @mar-shallmanson.

A Social@Oglivy é a maior rede mundial de especialistas em mídia social. Estamos comprometidos em oferecer soluções de mídia social para nossos clientes que tragam resultados positivos para seus negócios.

Loading Fechar
Loading Cases Cannes Lion

Agência do ano no Festival Internacional de Cannes em 2013!

35 Leões (1 Agency of the year; 1 GP de Titanium; 1 GP de Promo & Activation; 16 Ouros; 4 Pratas; 12 Bronzes. )

Divine Discontent

Contato

Entre em contato com a Ogilvy Brasil através do formulário abaixo.

Preencha os campos em destaque

Mensagem enviada com sucesso

vagas

Veja as vagas disponíveis na Ogilvy Brasil e faça parte de uma agência reconhecida no mundo inteiro.

www.vagas.com.br/ogilvy

Ogilvy & Mather

 

Av. das Nações Unidas,
5777 - Alto de Pinheiros
São Paulo - SP
CEP: 05477-900

11 3024-9000

OgilvyOne

 

Av. das Nações Unidas,
5777 - Alto de Pinheiros
São Paulo - SP
CEP: 05477-900

11 3024-9000

Ogilvy Public Relations

 

Av. das Nações Unidas,
5777 - Alto de Pinheiros
São Paulo - SP
CEP: 05477-900

11 3024-9000

Ogilvy CommonHealth

 

Av. das Nações Unidas,
5777 - Alto de Pinheiros
São Paulo - SP
CEP: 05477-900

11 3024-9000

neo@Ogilvy

 

Av. Pedroso de Morais,
1553 - cjtos 21,22 e 23
São Paulo - SP
CEP: 05419-001

11 3065-6000

Ogilvy&Mather

 

Praia de Botafogo, 228
7° e 18º andar
Rio de Janeiro - RJ
CEP: 22359-900

21 2131-3100

Ogilvy&Mather

 

SCN Quadra 1,
Bloco F,79 - Salas 813 a 817
Brasília - DF
CEP: 70711-905

61 3327-8290

Ogilvy&Mather

 

R. do Apolo, 81
1º Andar - Bairro do Recife
Recife - PE
CEP: 50030-220

81 3194-2300

Erro 404

A página que você procurou não foi encontrada.